Art'n
'Enquanto a história conta o que aconteceu, a arte, simplesmente acontece!'
Últimos assuntos
» dayane graunke
Seg Set 19, 2016 9:27 am por Professor Cesar

» atividades do Everton
Seg Set 19, 2016 9:26 am por Professor Cesar

» atividades do Everton
Seg Set 19, 2016 9:25 am por Professor Cesar

» Atividades da Jessica
Seg Set 19, 2016 9:24 am por Professor Cesar

» atividades do Carlos
Seg Set 19, 2016 9:24 am por Professor Cesar

» Atividades de Hingred
Seg Set 19, 2016 9:23 am por Professor Cesar

» atividade do Carlos
Seg Set 19, 2016 9:23 am por Professor Cesar

» Atividade do Kaio
Seg Set 19, 2016 9:22 am por Professor Cesar

» Atividade de Dayane
Seg Set 19, 2016 9:22 am por Professor Cesar

Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Estatísticas
Temos 2201 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de karlasoares

Os nossos membros postaram um total de 15250 mensagens em 2514 assuntos
Votação
Dezembro 2016
SegTerQuaQuiSexSabDom
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031 

Calendário Calendário

Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Furl  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de Art'n em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de Art'n em seu site de social bookmarking


Equipe 2 - TI1A [Planta]

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por Professor Cesar em Seg Jun 02, 2014 12:20 pm

Equipe 2
Tópico exclusivo para postagens de complementação e pesquisa temática de membros da equipe 2.

Professor Cesar
Art 'n' CELC Admin
Art 'n' CELC Admin

Mensagens : 1815
Data de inscrição : 22/05/2010
Localização : CWB

Ver perfil do usuário http://artn.highforum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:19 pm


.


Última edição por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:32 pm, editado 1 vez(es)

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:24 pm

.


Última edição por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:32 pm, editado 1 vez(es)

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:29 pm




Composição Formal

Na composição formal utilizei, para garantir unidade ao projeto, adição por sobreposição de dois volumes com iguais dimensões no que diz respeito a largura e ao comprimento e sendo um o dobro do outro no que diz respeito a altura. Esses volumes estão ainda em níveis diferentes para poderem, dessa forma, acomodarem-se melhor no terreno no qual existe um desnível. A casa estaria entre duas edificações, uma com telhado aparente e outra com platibanda que esconde totalmente o telhado com baixa inclinação. Para harmonizá-la com esse entorno procurei unir as duas formas em uma. Projetei uma cobertura aparente com um ângulo acentuado, porém que terminasse em linha, com uma platibanda que esconde não o telhado, mas sim, somente a calha. Dessa forma, além de conseguir uma relação com as edificações vizinhas, alcancei também maior limpeza e clareza dos volumes na composição do projeto o qual terminou em articulação positiva em linha. Outra relação que utilizei pra integrá-lo com seu entorno foi dar à casa um recuo semelhante ao das edificações vizinhas.link origem da imagem

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:40 pm


A instalação de água fria começa na rede pública ou, no caso de locais afastados, no poço onde se coleta a água. Para efeito deste nosso estudo, vamos supor que a residência está ligada à rede pública, que corre pela calçada ou até mesmo pelo meio da rua.
Acompanhe pela figura abaixo. Quando se faz o pedido de ligação de água a concessionária faz uma sangria na tubulação que chega até um registro localizado junto ao alinhamento do lote. Este registro pertence à concessionária, que o usa para interromper o fornecimento caso o usuário não pague a conta.


Última edição por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:48 pm, editado 1 vez(es)

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 11, 2014 8:53 pm



Para a criação desses projetos, é preciso algumas noções básicas como sobre o que é uma rede elétrica, o que é potência, voltagem, tipos de materiais a serem usados, o que é planta baixa e os procedimentos necessário para fazer o percurso das instalações.

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 25, 2014 8:33 pm

Simbologia de instalações elétricas ... são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel.

Link de origem- mais sobre:

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 25, 2014 8:43 pm


Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor público de esgoto. Um bom projeto de esgoto deve:

A - Permitir o rápido escoamento do esgoto para fora do ambiente e para fora da edificação e não permitir o seu refluxo.

O escoamento do esgoto ocorre sob regime de conduto livre, ou seja, a pressão interna (Pi) da tubulação deve ser igual a pressão da atmosfera. O escoamento se dá pela declividade do tubo (i em %), pela ação da gravidade. Portanto os aparelhos sanitários estão a montante e o coletor público deve estar a jusante, caso contrário não haverá escoamento.
Link original

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Qua Jun 25, 2014 9:00 pm



A Norma Brasileira NBR 5410 estabelece as condições mínimas necessárias para o perfeito funcionamento de uma instalação elétrica de baixa tensão garantindo assim a segurança de pessoas e animais e a preservação dos bens. Tradicionalmente, esta norma será aplicada para instalação elétrica de edificações, residencial, comercial, público, industrial, de serviços, agropecuário, hortiganjeiro, etc…

Para os profissionais da área de eletricidade a NBR 5410 é, nada mais nada menos que o guia fundamental para o desenvolvimento das atividades profissionais do dia a dia. Vamos, brevemente neste artigo, entender um pouco das exigência da NBR 5410.

Leia Mais: http://www.saladaeletrica.com.br/nbr-5410-download/#ixzz35hKtuESN
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike
Follow us: @saladaeletrica on Twitter | saladaeletrica.com.br on Facebook
Mais sobre o assunto Link

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por CEZAR39TI1A em Qui Jun 26, 2014 8:36 pm

Link conceito basico hidraulicaConceitos básicos instalação hidraulica

CEZAR39TI1A
Art Level II
Art Level II

Mensagens : 16
Data de inscrição : 14/04/2014

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por CEZAR39TI1A em Qui Jun 26, 2014 8:59 pm

Em Curitiba para iniciarmos um projeto de construção, devemos seguir alguns passos básicos:
1) Emitir a Guia amarela no site da PM Curitiba, onde determinara todos os parâmetros possíveis para a construção;
2) Matricula atualizada do Imóvel, para saber a situação perante o Registro de Imoveis;
3) De posse dos documentos acima, começamos a pensar no que iremos construir, aqui começara a dor de cabeça na maioria das construções;
4) contratação de engenheiro/arquiteto/profissionais técnicos para o levantamento topográfico;
5) Elaboração do pre projeto arquitetônico para ser avaliado a viabilidade do empreendimento diante dos parâmetros da guia amarela;
6) Com o projeto em mãos, é hora de avaliar possíveis alterações necessárias, para adequar o projeto dentro das normas técnicas, para otimização da captação de águas pluviais, energia solar, mobilidade urbana, acessibilidade;
7) Passado essa etapa de estudos e adequações, é momento de passar no departamento de Urbanismo para aprovação e/ou observações de alterações no projeto;
Cool aprovado o projeto, efetuamos o cadastro junto ao INSS para obter o CEI da obra;
9) Contratação de mão de obra, avaliar de qual forma faremos o empreendimento, existem algumas possibilidades:
Empreiteira terceirizada, vinculada a obra em execução, para isso precisamos estar atentos de que os funcionários estão com salários e encargos sociais em dia, pois somos solidários o que muitas vezes sobra dor de cabeça para o empreendedor;
Contratação direta pela Obra, é a maneira mais tranquila, o único inconveniente será a alta rotatividade da mão de obra;
10) Plantas devem estar acompanhadas das aprovações e a ART da obra, ou da etapa;
11)Alvará para autorização da obra, emitido pele prefeitura;
12)Criação de uma CIPA, para acompanhar e dar suporte ao empreendimento;


CEZAR39TI1A
Art Level II
Art Level II

Mensagens : 16
Data de inscrição : 14/04/2014

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Seg Jun 30, 2014 8:09 pm


PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Seg Jun 30, 2014 8:15 pm

Escalas mapas
O mapa hoje é algo essencial, pois representa informações históricas, políticas, econômicas, físicas e biológicas de diferentes lugares do mundo. A soma disso nos ajuda a compreender as transformações e os problemas do mundo atual.

Todo bom mapa deve possuir algumas características para assegurarem a leitura e a interpretação corretas das informações nele contidas. Os principais elementos são: área geográfica, coordenadas, escala, legenda, título, indicação do norte e a fonte de onde foi extraído o mapa. Ver e ler, estes são os principais objetivos nos mapas. Dessa forma, antes de aprender a como ler um é essencial que se saiba com propriedade os principais elementos presentes em um mapa.

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Seg Jul 14, 2014 4:01 pm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Desenho_arquitet%C3%B4nico
Desenho à mão
A seguinte lista apresenta os materiais que tradicionalmente foram utilizados no desenho dito instrumentado (ou seja, o desenho feito à mão com auxílio de instrumentos de desenho). Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua informatização.

Prancheta de desenho
Uma mesa, normalmente inclinável, na qual é possível manter pranchas de desenho em formatos grandes (como o A0) e onde se possam instalar reguas T ou paralelas.

Régua T ou Régua paralela
Estas réguas eram instrumentos para traçado de retas parelelas e perpendiculares, a serem usadas juntamente de um par de esquadros.

Par de esquadro.
Elementos para auxiliar o traçado de retas em ângulos pré-desenhados, como 30º, 45º, 60º e 90º.

Escalímetro
Um tipo especial de régua, normalmente com seção triangular, com a qual podem ser realizadas medidas em escalas diferentes.

Lapiseiras ou lápis
Adequados às espessuras desejadas.

canetas nanquim
Tais canetas eram utilizadas na execução dos desenho finais, como aqueles destinados à construção. Exigiam cuidado constante, pois seu entupimento, caso não fossem limpas com freqüência, seria um problema comum.

Mata-gato.
Instrumento que auxilia o uso da borracha em locais determinados do desenho. Constitui-se de uma placa perfurada a ser posicionada sobre o setor do desenho a ser corrigido, de forma a que apenas se apague o desejável.

Borracha
Podendo ser a comum ou a elétrica.

Conjunto de normógrafo e reguas caligráficas
Auxiliam a escrita de blocos de texto padronizados e com caligrafia técnica.

Lâmina e borracha de areia
Permitem a correção de desenhos errados efetuados à nanquim sobre papel vegetal.

Gabaritos ou escantilhões.
Pequenas placas plásticas ou metálicas que possuem elementos pré-desenhados vazados e auxiliam seu traçado, como instalações sanitárias, circunferências, etc.

Curva francesa.
Um tipo especial de gabarito composto apenas por curvas, nos mais variados raios.

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Seg Jul 14, 2014 4:06 pm

Órgãos competentes:
- Secretaria de Urbanismo
- Secretaria do Meio Ambiente
- CREA
- CAU

Documentação:
- Planta
- Registro de Imóveis
- Alvarás de Construção Civil
- Habite-se


Primeiramente é preciso ter uma escritura do terreno, pode ser o recibo de compra e venda provando como você é o proprietário.

Ter um projeto com a quantidade e as medidas de cada cômodo da casa, verificar na prefeitura ou no CREA, qual a medida que deve ter de distância das laterais e da frente para o início da obra.

Normalmente pedem alvará, autorização da vigilância sanitária, projeto aprovado e alvará da obra e uma placa com os arquitetos ou engenheiros responsáveis pela obra, mas para ter certeza que não está faltando nada é bom se informar no setor de planejamento da cidade.http://pix.mbzhost.com/2011/03/28/documentos-necessarios-para-inicio-de-uma-obra-de-construcao-civil/#ixzz35hHBr68C

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por PAULO HABOVSKI 32 TI 1A em Seg Jul 14, 2014 4:19 pm

VISTORIA


Na hora da vistoria do imóvel novo é essencial checar desde a metragem de cada cômodo do imóvel até a qualidade dos materiais. Porém, neste momento surgem várias dúvidas de como fazer. Para AMSPA – Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências é importante que o comprador conte com ajuda de um especialista para lhe auxiliar na inspeção do apartamento.

Chegou o tão aguardado momento de receber as chaves do imóvel e com a entrega do bem vem a vistoria. Nesta hora todo cuidado nos detalhes será essencial para evitar dor de cabeça adiante, alem de gastos com reparos. Para isso é necessário checar a parte elétrica, hidráulica, pintura, janelas, persianas, vidros, revestimentos cerâmicos, louças, metais, ralos e metragem de cada cômodo do apartamento, entre outras particularidades.

Ao constatar defeitos aparentes no imóvel, o adquirente deve reclamar por escrito à construtora no prazo de 90 dias. Caso o erro for exposto no dia da vistoria os reparos devem ser feitos pela construtora em até 30 dias. Se não for possível um acordo, o dono do bem pode entrar com o pedido de indenização ou solicitar a rescisão do contrato com a atualização dos valores e acrescido de multa. Se o vício for oculto, a reclamação escrita deve ser feita no prazo de um ano. A construtora não solucionando o problema de forma amigável, o comprador prejudicado tem o prazo de até 20 anos para recorrer ao judiciário conforme decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O pedido para entrar com a ação deve estar acompanhado do laudo técnico de engenheiro civil discriminando os vícios e defeitos e até fotos dos problemas. Antes o tempo de garantia era de cinco anos a partir da liberação do Habite-se.

http://www.amspa.com.br/novo/noticias/confira-as-dicas-para-fazer-a-vistoria-do-imovel-sem-erro/

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A
Bônus Ativo
Bônus Ativo

Mensagens : 31
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 57
Localização : rua nicaragua 679

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por Professor Cesar em Seg Jul 14, 2014 6:12 pm

PAULO HABOVSKI 32 TI 1A escreveu:

A Norma Brasileira NBR 5410 estabelece as condições mínimas necessárias para o perfeito funcionamento de uma instalação elétrica de baixa tensão garantindo assim a segurança de pessoas e animais e a preservação dos bens. Tradicionalmente, esta norma será aplicada para instalação elétrica de edificações, residencial, comercial, público, industrial, de serviços, agropecuário, hortiganjeiro, etc…

Para os profissionais da área de eletricidade a NBR 5410 é, nada mais nada menos que o guia fundamental para o desenvolvimento das atividades profissionais do dia a dia. Vamos, brevemente neste artigo, entender um pouco das exigência da NBR 5410.

Leia Mais: http://www.saladaeletrica.com.br/nbr-5410-download/#ixzz35hKtuESN
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike
Follow us: @saladaeletrica on Twitter | saladaeletrica.com.br on Facebook
Mais sobre o assunto Link
 king 

Professor Cesar
Art 'n' CELC Admin
Art 'n' CELC Admin

Mensagens : 1815
Data de inscrição : 22/05/2010
Localização : CWB

Ver perfil do usuário http://artn.highforum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por NICK 30 TI1A em Qua Jul 16, 2014 9:29 am



ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO
1. Levantamento de dados: O cliente demonstra seus objetivos e necessidades. As características do terreno são estudadas (dimensões, solo, escritura, ventos etc).
2. Estudo preliminar: Através das informações obtidas no "Levantamento de dados", o arquiteto já tem condições para fazer um esboço inicial do projeto. Deve ser acompanhado de perto pelo cliente, já que trata-se do início da elaboração da planta; antes de continuar o projeto, o arquiteto nesta fase deve receber a aprovação do cliente.
3. Anteprojeto: Nesta etapa, as dimensões e características da obra serão definidas. Será desenvolvido o projeto com a elaboração da planta-baixa de cada pavimento, contendo informações de cada ambiente, pilares, cálculo das áreas e etc. A volumetria, estrutura, planta de cobertura e instalações gerais serão definidas. O cliente deve aprovar o anteprojeto, para que o arquiteto passe para a próxima etapa.
4. Projeto legal: Nesta etapa, a configuração do projeto deve estar de acordo com as normas indicadas pelos órgãos competentes, com o objetivo de ser aprovada pela prefeitura municipal.
5. Projeto executivo: Muito mais técnico, consiste no desenvolvimento detalhado do anteprojeto. Integra o projeto aos projetos complementares (elétrico, hidráulico, estrutural, telefônico etc), dando plenas condições à execução da obra, conforme o detalhamento do projeto.

http://www.arquitetando.xpg.com.br/etapas%20de%20um%20projeto%20arquitetonico.htm

NICK 30 TI1A
Sub Level
Sub Level

Mensagens : 12
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 21

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por NICK 30 TI1A em Qua Jul 16, 2014 9:32 am


NICK 30 TI1A
Sub Level
Sub Level

Mensagens : 12
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 21

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por NICK 30 TI1A em Qua Jul 16, 2014 9:48 am



O Projeto Hidraulico é um dos requesitos importantes na hora de construir ou reformar.
Evita inumeros erros na montagem do sistema economizando tempo e dinheiro.

Preve a dimensão necessária do sistema hidraulico, garantindo assim um bom funcionamento  por muitos anos.

Depois de ter uma base do desenho do imóvel são feitas várias plantas entre elas a “hidráulica”…… que deve conter todas as especificações da canalização.
Se não for o caso, faça voce mesmo (durante a construção) um desenho mostrando cada parede do imovel e as tubulações que passam dentro delas.
A planta geral de instalação hidráulica mostra o conjunto de ramificações do encanamento e os lugares por onde passam estes canos com tamanhos e outros detalhes..

Para simplificar vamos chamar de encanamento aos vários dutos condutores responsáveis pela distribuição de águas, eletricidade, gás, telefone, etc., dentro de nossa casa.
Se você pretende mudar uma parede, fazer um buraco para uma nova porta, ou simplesmente colocar uma prateleira, ou ainda consertar um vazamento interno de uma parede, você tem de ter em mãos a planta geral de instalação hidráulica e a elétrica, por vários motivos :

- Saber onde realmente passam os canos e quais são.

- Qual é o registro que fechará a agua ou qual a caixa onde se desconecta tal ou tal cômodo…

- Quais as ramificações que ficarão a seco ( banheiros, cozinha, etc.), ou no escuro caso o conserto leve tempo ! e o que isso representa de incomodo para outros …

Assim você evitará surpresas e prejuízos… você deve pedi-las ao construtor do seu prédio/casa .

Projeto Hidraulico Simbolos







http://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/simbulos-projeto-hidraulico/

NICK 30 TI1A
Sub Level
Sub Level

Mensagens : 12
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 21

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por NICK 30 TI1A em Qua Jul 16, 2014 10:49 am

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

1- INTRODUÇÃO
No desenho de um projeto de instalação elétrica de umaresidência, devemos proceder do seguinte modo:

a)
possuir um jogo completo de cópias heliográficas do projetode arquitetura;

b)
utilizar a planta ou as plantas, caso exista mais de umpavimento, os cortes e algumas vezes a fachada quecorresponde ao local da entrada de luz;

c)
assinalar, por suas convenções, todos os elementosnecessários ao projeto e observar esses elementos nos
cortes.

d)
marcar na planta os pontos de luz: pequenos círculos de 8mm de diâmetro; assinalar junto ao ponto
de luz, na parte superior esquerda, a potencia da Iâmpada jácalculada. No interior do círculo, o número do circuito

e)
localizar o quadro de distribuição, que poderia ficar no corredorou cozinha;

/) localizar as tomadas baixas, medias, altas e as

de radio, antenade TV, telefone, ar condicionado;
G) utilizar sempre as convenções recomendadas pelas normastécnicas da ABNT.
CVT- MESQUITA

ELÉTRICA

PROFª DAGMAR


Partes componentes de um projeto elétrico:
O projeto é a representação escrita da instalação
e deve conter no mínimo:
Plantas;
Esquemas (unifilares e outros que se façamnecessários);
Detalhes de montagem, quando necessários;
Memorial descritivo;
Memória de cálculo (dimensionamento de
condutores, condutos e proteções);
ART.


ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO MATERIAL
K.l -INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Todas as instalações elétricas obedecerão rigorosamente ao projeto e serão executadas de acordocom as Normas e Regulamentos das Concessionárias de Serviyos Públicos.Todo o material elétrico a ser empregado atenderá as determinações da NB e será aprovadopela Concessionária.
a) CONDUITES
- Serão de PVC corrugado, de cor amarela, de marca Tigre, Fortilit, Politubos ou Cardinali,observados os diâmetros indicados no projeto.
b) CAIXAS
- Serão em PVC e terão dimensões compatíveis com a aplicação. Marca Pergon ou Tigre.
c) FIOS CONDUTORES de COBRE ou ALUMINIO
- Com isolamento plástico obedecendo as NormasTécnicas em vigor para os serviços em que forem aplicados pela Concessionária,marca Lousano, Pirelli,Sil ou Cordeiro.
d) INTERRUPTORES
- De embutir, acionados por tecla, marca Fame, Sintec ou Perlex
e) TOMADAS
- Pino universal de embutir, marca Fame, Sintec ou PerJex.
f) PLACAS
- Cinza ou branca em termoplástico, marca Fame, Sintec ou Perlex.
g) PONTOS de LUZ INTERNOS
- Em cada ponto de luz será instalado "plafunier de aluminio de 3", comreceptáculo de porcelana, marca Lorenzet ou GE.
h) ENTRADA, CAIXA de MEDIDOR e QUADRO
- entrada subterrânea, de acordo com o projeto.A caixa de medidor para relógio, com chave geral de 30 ampéres, porta e visor de acrílico, poste emconcreto armado
ou de acordo com o padrão, normas e marcas indicadas pela concessionária local,
asquais a construtora deverá se submeter em quaisquer ônus para os futuros proprietários



Escalas: (Ref.: NBR 8196)
indicada,obrigatoriamente, na legenda.Quando for necessário o uso de mais umaescala na folha para desenho
Escala:
é arelação entre a dimensão linear de umobjeto (ou elemento) representado nodesenho e a dimensão real deste objeto (ouelemento), devendo ser , estas devem estarindicadas junto à identificação do detalheou vista a que se referem. E, na legenda,deve constar a palavra
indicada
Escalas mais usadas: 1:100,1:50, 1:25, 1:20
Escala natural:
é a escala onde a
representação do objeto (ou elemento) é feitaem sua verdadeira grandeza.
Escala de ampliação:
é a escala onde a
representação do objeto (ou elemento) é maiorque sua verdadeira grandeza.
Escala de redução:
é a escala onde a
representação do objeto (ou elemento) émenor que sua verdadeira grandeza













Localização das Tomadas

CVT- MESQUITA

ELÉTRICA

PROFª DAGMAR
Nas salas devemos ter tomadas para TV, abajur e radio.Nos dormitórios, a localização depende da provável situação da cama,podendo haver uma ou duas, junto a cabeceira, para abajur e radio.Na copa, tomada para geladeira, ferro de engomar.Na cozinha; para acendedor de gás, liquidificador.No banheiro, para aparelho de massagem ou de barbear.No corredor, uma tomada para enceradeira.
Obs.:
Na cozinha, no banheiro, na área de serviço, as tomadasdeverão ser instaladas a meia altura

CáIculo dos Circuitos
CVT- MESQUITA

ELÉTRICA

PROFª DAGMAR
Calculada a carga total da residência, em watts,devemos dividi-la em circuitos cujas cargas não sejam superioresa 1.200 watts, limite recomendável.Os pontos de consumo deverão ser ligados a circuitos dedistribuição dos condutores.Cada circuito deverá ter seu própriocondutor neutro.


Cálculos mais precisos, no caso de lojas eescritórios, dependem de diversos fatoreseconômicos, das razões da decoraçãoe da facilidade de manutenção.Para esse objetivo, torna-se indispensávela consulta a catálogos dos fabricantes deLâmpadas.





O quadro de distribuição é o local onde estão
instaladas as chaves de distribuição e proteçãodos circuitos (disjuntores
).
O quadro do medidor é o local onde estãolocalizados a chave geral e o medidor de luz daconcessionária, que registra o consumo da
residência.



Quando vamos executar uma instalação elétrica qualquer,necessitamos de vários dados como:localização dos elementos, percursos de uma instalação,condutores, distribuição da carga, proteções, etc...Para que possamos representar estes dados, somos obrigados a utilizara planta baixa do prédio em questão. Nesta planta baixa, devemosrepresentar, de acordo com a norma geral de desenhos NB-8 da ABNT,o seguinte:
− a localização dos pontos de consumo de energia elétrica,
seus comandos e indicações dos circuitos a que estão ligados;
− a localização dos quadros e centros de distribuição;

− o trajeto dos condutores e sua projeção mecânica
(inclusive dimensões dos condutos e caixas);
− um diagrama unifilar discriminando os circuitos, seção dos condutores,
dispositivos de manobra e proteção;
− as características do material a empregar, suficientes para indicar
a adequabilidade de seu emprego tanto nos casos comuns,como em condições especiais.
Como a planta baixa se encontra reduzida numa proporção 50ou 100 vezes menor, seria impossível representarmos oscomponentes de uma instalação tais como eles se apresentam abaixo.Seria trabalhoso e desnecessário desenhá-lo em tamanho menor,por isso, utilizamos uma forma de diagrama reduzido,denominado
esquema unifilar
, onde os dispositivos de comando,proteção, fontes de consumo, condutores etc., são representadoscomo nos exemplos abaixo:





Estes e outros símbolos são normalizados pela ABNT através de normasespecíficas.Este
esquema unifilar
é somente representado em plantas baixas,mas o eletricista necessita de um outro tipo de esquema chamado
multifilar
, onde se mostram detalhes de ligações e funcionamento,representando todos os seus condutores, assim como símbolosexplicativos do funcionamento, como demonstra o esquema a seguir:





Para o eletricista, o modelo de uma instalação elétrica não lhe adianta,pois um prédio dificilmente é igual a outro, apesar das ligações seremsemelhantes.O desenho de esquemas elétricos conforme normas recomendadaspela ABNT é uma linguagem que deve ser conhecida tanto pelosengenheiros como pelos projetistas e eletricistas; portanto,é indispensável a todos os que se dedicarem ao ramo específicoda eletricidade

NICK 30 TI1A
Sub Level
Sub Level

Mensagens : 12
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 21

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por NICK 30 TI1A em Qua Jul 16, 2014 1:00 pm

. INSTRUMENTOS E MATERIAIS

A representação gráfica do desenho em si corresponde a um conjunto de normas internacionais (sob a supervisão da ISO). Porém, geralmente, cada país costuma possuir suas próprias versões das normas, adaptadas por diversos motivos.

No Brasil, as normas são editadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), sendo as seguintes as principais:

• NBR-6492 - Representação de projetos de arquitetura • NBR-10067 – Princípios gerais de representação em desenho técnico

Cabe notar, no entanto, que se por um lado recomenda-se a adequação a tais normas quando da apresentação de desenhos para fins de execução de obras ou em situações oficiais (como quando os profissionais enviam seus projetos à aprovação em prefeituras), por outro lado admite-se algum nível de liberdade em relação a elas em outros contextos. Durante o processo de elaboração e evolução do projeto, por exemplo, normalmente os arquitetos utilizam-se de métodos de desenho próprios apropriados às suas necessidades momentâneas, os quais eventualmente se afastam das determinações das normas. Esta liberdade se dá pela necessidade de elaborar desenhos, que exijam uma facilidade de leitura maior por parte de leigos ou para se adequarem a diferentes publicações, por exemplo.

Elementos do desenho

Para que a (futura) realidade do projeto seja bem representada, faz-se uso dos diversos instrumentos disponíveis no desenho tradicional ou geométrico, o desenho arquitetônico manifesta-se principalmente através de linhas e superfícies preenchidas (tramas).

Costuma-se diferenciar no desenho duas entidades: uma é o próprio desenho (o objeto representado, um edifício, por exemplo) e o outro é o conjunto de símbolos, signos, cotas e textos que o complementam.

As principais categorias do desenho de arquitetura são: as plantas, os cortes e seções e as elevações.

Traços

Os traços de um desenho normatizado devem ser regulares, legíveis (visíveis) e devem possuir constraste umas com as outras.

Espessura dos traços




Pesos e categorias de linhas

Normalmente ocorre uma hierarquização das linhas, obtida através do diâmetro da pena (ou do grafite) utilizados para executá-la. Tradicionalmente usam-se quatro espessuras de pena:

• Linhas complementares - Pena 0,1. Usada basicamente para registrar elementos complementares do desenho, como linhas de cota, setas, linhas indicativas, linhas de projeção, etc.

• Linha fina - Pena 0,2 (ou 0,3). Usada para representar os elementos em vista.

• Linha média - Pena 0.4 (ou 0,5). Usada para representar os elementos que se encontram imediatamente a frente da linha de corte.

• Linha grossa - Pena 0.6 (ou 0,7). Usada para representar elementos especiais, como as linhas indicativas de corte (eventualmente é usada para representar também elementos em corte, como a pena anterior).

Tipos de traços

Quanto ao tipo de traços, é possível classificá-los em: • Traço contínuo. São as linhas comuns.

(traço-ponto) (traço-ponto)

(traço-traço)

• Traço interrompido. Representa um elemento de desenho "invisível" (ou seja, que esteja além do plano de corte).

• Traço-ponto. Usado para indicar eixos de simetria ou linhas indicativas de planos de corte.



Tramas

Os elementos que em um desenho projetivo estão sendo cortados aparecem delimitados com um traço de espessura maior no desenho. Além do traço mais grosso, esses elementos podem estar preenchidos por um tracejado ou trama. Cada material é representado com uma trama diferente.

Materiais de desenho

Com a ampla difusão do desenho auxiliado pelo computador, a lista de materiais que tradicionalmente se usava para executar desenhos de arquitetura tem se tornado cada dia mais obsoleta. Alguns desses materiais, no entanto, ainda são eventualmente usados para verificar algum problema com os desenhos impressos, ou no processo de treinamento de futuros desenhistas técnicos. Após a impressão de pranchas produzidas em CAD, ainda está em uso o escalímetro, que é uma multi-régua com 6 escalas, que serve para conferir medidas, se o desenho foi impresso na escala 1/50 utiliza-se a mesma escala em uma de suas bordas visíveis.



Desenho gerado em um programa do tipo CAD

A execução de desenhos de arquitetura no computador em geral exige a operação programas gráficos do tipo CAD que normalmente demandam um hardware robusto e de alta capacidade de processamento, e memória. Atualmente, o principal programa para lidar com estes tipos de desenho é o AutoCad, um software produzido pela empresa americana Autodesk. O formato em que nativamente grava seus arquivos, o .dwg, é considerado o padrão "de facto" no mercado da construção civil para troca de informações de projeto.

Existem, no entanto, diversos outros softwares de CAD para arquitetura. A maioria deles nem sempre é capaz de ler e escrever arquivos no formato .dwg, embora muitos utilizem-se do alternativo formato .dxf. Além de programas CAD destinados ao desenho técnico de uma forma geral, como o AutoCAD e o Microstation, também existem softwares designados especificamente para o trabalho de projeto arquitetônico, como o ArchiCAD, o ArchiStation, o Autodesk Architectural Desktop, o Revit, entre outros, com os quais é possível visualizar o modelo arquitetônico em suas várias etapas de projeto, mais do que meramente representá-lo na forma de desenho técnico.

Desenho à mão

A seguinte lista apresenta os materiais que tradicionalmente foram utilizados no desenho dito instrumentado (ou seja, o desenho feito à mão com auxílio de instrumentos de desenho). Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua informatização.

- Usada para informação, indicação e identificação do desenho, a saber: designação da firma, projetista, local, data, assinatura, conteúdo do desenho, escala, número do desenho, símbolo de projeção, logotipo da firma, unidade empregada, escala, etc.

- A legenda deve ter 178 m de comprimento nos formatos A2, A3 e A4, e 175 m nos formatos A0 e A1.

Tramas

Os elementos que em um desenho projetivo estão sendo cortados aparecem delimitados com um traço de espessura maior no desenho. Além do traço mais grosso, esses elementos podem estar preenchidos por um tracejado ou trama. Cada material é representado com uma trama diferente.

Materiais de desenho

Com a ampla difusão do desenho auxiliado pelo computador, a lista de materiais que tradicionalmente se usava para executar desenhos de arquitetura tem se tornado cada dia mais obsoleta. Alguns desses materiais, no entanto, ainda são eventualmente usados para verificar algum problema com os desenhos impressos, ou no processo de treinamento de futuros desenhistas técnicos. Após a impressão de pranchas produzidas em CAD, ainda está em uso o escalímetro, que é uma multi-régua com 6 escalas, que serve para conferir medidas, se o desenho foi impresso na escala 1/50 utiliza-se a mesma escala em uma de suas bordas visíveis.


Desenho gerado em um programa do tipo CAD

A execução de desenhos de arquitetura no computador em geral exige a operação programas gráficos do tipo CAD que normalmente demandam um hardware robusto e de alta capacidade de processamento, e memória. Atualmente, o principal programa para lidar com estes tipos de desenho é o AutoCad, um software produzido pela empresa americana Autodesk. O formato em que nativamente grava seus arquivos, o .dwg, é considerado o padrão "de facto" no mercado da construção civil para troca de informações de projeto.

Existem, no entanto, diversos outros softwares de CAD para arquitetura. A maioria deles nem sempre é capaz de ler e escrever arquivos no formato .dwg, embora muitos utilizem-se do alternativo formato .dxf. Além de programas CAD destinados ao desenho técnico de uma forma geral, como o AutoCAD e o Microstation, também existem softwares designados especificamente para o trabalho de projeto arquitetônico, como o ArchiCAD, o ArchiStation, o Autodesk Architectural Desktop, o Revit, entre outros, com os quais é possível visualizar o modelo arquitetônico em suas várias etapas de projeto, mais do que meramente representá-lo na forma de desenho técnico.



Desenho à mão

A seguinte lista apresenta os materiais que tradicionalmente foram utilizados no desenho dito instrumentado (ou seja, o desenho feito à mão com auxílio de instrumentos de desenho). Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua informatização.

- Usada para informação, indicação e identificação do desenho, a saber: designação da firma, projetista, local, data, assinatura, conteúdo do desenho, escala, número do desenho, símbolo de projeção, logotipo da firma, unidade empregada, escala, etc.

- A legenda deve ter 178 m de comprimento nos formatos A2, A3 e A4, e 175 m nos formatos A0 e A1.

DIMENSIONAMENTO E ESCALAS

ESCALAS Norma ABNT NBR 8196, Dezembro 1999.

A designação de uma escala deve consistir na palavra ESCALA ou ESC, seguida da indicação da relação:

ESCALA 1:1 para escala natural ESCALA X:1 para escala de ampliação (X > 1) ESCALA 1:X para escala de redução (X > 1) A escala deve ser indicada na legenda. O valor de X deve ser igual a 2, 5 ou 10, ou múltiplos destes. Por exemplo, 1:2, 50:1, 1:100.

• Escalas utilizadas para desenhos arquitetônicos: • 1:200 ou 1:100 = rascunhos / estudos (papel manteiga)

1:100 = anteprojeto – plantas, fachadas, cortes, perspectivas

• 1:100 = desenhos de apresentação – plantas, fachadas, cortes, perspectivas, projeto para Prefeitura • 1:50 = execução (desenhos bem cotados)

• 1:50 = projetos especiais – fundações, estrutura, instalações, etc.

LINHA DE COTA: Cotagem em Desenho Técnico (NBR 10126)

Representação gráfica das dimensões no desenho técnico de um elemento, através de linhas, símbolos, notas e valor numérico numa unidade de medida. Elementos gráficos para representação de cotas

Podemos dividir os desenhos arquitetônicos em dois grupos: Desenhos

Preliminares de apresentação e Desenhos para execução. Nos desenhos preliminares são feitos vários estudos por meio de esboços que começam a dar forma ao edifício proposto. Estes têm por objetivo dar uma representação real do projeto de um edifício. São constituídas de plantas, elevações; incluindo, para serem mais completos, também desenhos perspectivos com representação de figuras humanas, árvores, edifícios adjacentes para servir como escala de referência. Não devem conter dados estruturais.

Nos desenhos para execução incluímos as plantas, elevações e fachadas, cortes e acabamentos segundo as normas com as quais a obra será executada.

Na área de construção civil, as plantas se constituem como a representação gráfica de um projeto;

• Existem alguns tipos de representações gráficas em um projeto: – Planta baixa;

– Planta de situação;

– Planta de localização;

– Corte transversal e longitudinal;

– Planta de fachada. • Na área de construção civil, as plantas se constituem como a representação gráfica de um projeto;



Planta de Locação ou Localização: demonstra a localização da obra dentro do terreno, com seus respectivos recuos frontais e laterais.



CONVENÇÕES E SIMBOLOS a. PAREDES Normalmente as paredes internas são representadas com espessura de 15 cm, mesmo que na realidade a parede tenha 14 cm ou até menos. Nas paredes externas o uso de paredes de 20 cm de espessura é o recomendado, mas não obrigatório. É no entanto obrigatório o uso de paredes de 20cm de espessura quando esta se situa entre dois vizinhos (de apartamento, salas comerciais...).

Convenciona-se para paredes altas (que vão do piso ao teto) traço grosso contínuo, e para paredes a meia altura, com traço médio contínuo, indicando a altura correspondente.



Na representação de uma reforma é indispensável diferenciar muito bem o que existe e o que será demolido ou acrescentado. Estas indicações podem ser feitas usando as seguintes convenções:



Porta interna - Geralmente a comunicação entre dois ambientes não há diferença de nível, ou seja, estão no mesmo plano, ou ainda, possuem a mesma cota.



Porta externa - A comunicação entre os dois ambientes (externo e interno) possuem cotas diferentes, ou seja, o piso externo é mais baixo.

Nos banheiros a água alcança a parte inferior da porta ou passa para o ambiente vizinho; os dois inconvenientes são evitados quando há uma diferença de cota nos pisos de 1 a 2 cm pelo menos. Por esta razão as portas de sanitários desenham se como as externas.







. JANELAS O plano horizontal da planta corta as janelas com altura do peitoril até 1.50m, sendo estas representadas conforme a figura abaixo, sempre tendo como a primeira dimensão a largura da janela pela sua altura e peitoril correspondente. Para janelas em que o plano horizontal não o corta, a representação é feita com linhas invisíveis.



Equipamentos Hidráulicos











Legenda de Esquadrias: P (PORTAS); J (JANELAS); B (BALANCIN) Quadro de áreas: legenda que apresenta área do terreno, área construída e áreas de permeabilidade (jardim). Especificações de materiais de acabamento: piso, parede, forro







[url=ABNT-Associa%C3%A7%C3%A3o Brasileira de Normas T%C3%A9cnicas. http://www.daciv.feciv.ufu.br/arquivos/ApostilaVolume1.pdf http://www.cofeci.gov.br/pagInternas/testeVerificacao/medio_desenho_arquitetonico.pdf]ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas. http://www.daciv.feciv.ufu.br/arquivos/ApostilaVolume1.pdf http://www.cofeci.gov.br/pagInternas/testeVerificacao/medio_desenho_arquitetonico.pdf[/url]

NICK 30 TI1A
Sub Level
Sub Level

Mensagens : 12
Data de inscrição : 14/04/2014
Idade : 21

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por Professor Cesar em Qua Jul 16, 2014 5:32 pm

NICK 30 TI1A escreveu:INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

1- INTRODUÇÃO
No desenho de um projeto de instalação elétrica de umaresidência, devemos proceder do seguinte modo:

a)
possuir um jogo completo de cópias heliográficas do projetode arquitetura;

b)
utilizar a planta ou as plantas, caso exista mais de umpavimento, os cortes e algumas vezes a fachada quecorresponde ao local da entrada de luz;

c)
assinalar, por suas convenções, todos os elementosnecessários ao projeto e observar esses elementos nos
cortes.

d)
marcar na planta os pontos de luz: pequenos círculos de 8mm de diâmetro; assinalar junto ao ponto
de luz, na parte superior esquerda, a potencia da Iâmpada jácalculada. No interior do círculo, o número do circuito

e)
localizar o quadro de distribuição, que poderia ficar no corredorou cozinha;

/) localizar as tomadas baixas, medias, altas e as

de radio, antenade TV, telefone, ar condicionado;
G) utilizar sempre as convenções recomendadas pelas normastécnicas da ABNT.
CVT- MESQUITA

ELÉTRICA

PROFª DAGMAR


Partes componentes de um projeto elétrico:
O projeto é a representação escrita da instalação
e deve conter no mínimo:
Plantas;
Esquemas (unifilares e outros que se façamnecessários);
Detalhes de montagem, quando necessários;
Memorial descritivo;
Memória de cálculo (dimensionamento de
condutores, condutos e proteções);
ART.


ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO MATERIAL
K.l -INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Todas as instalações elétricas obedecerão rigorosamente ao projeto e serão executadas de acordocom as Normas e Regulamentos das Concessionárias de Serviyos Públicos.Todo o material elétrico a ser empregado atenderá as determinações da NB e será aprovadopela Concessionária.
a) CONDUITES
- Serão de PVC corrugado, de cor amarela, de marca Tigre, Fortilit, Politubos ou Cardinali,observados os diâmetros indicados no projeto.
b) CAIXAS
- Serão em PVC e terão dimensões compatíveis com a aplicação. Marca Pergon ou Tigre.
c) FIOS CONDUTORES de COBRE ou ALUMINIO
- Com isolamento plástico obedecendo as NormasTécnicas em vigor para os serviços em que forem aplicados pela Concessionária,marca Lousano, Pirelli,Sil ou Cordeiro.
d) INTERRUPTORES
- De embutir, acionados por tecla, marca Fame, Sintec ou Perlex
e) TOMADAS
- Pino universal de embutir, marca Fame, Sintec ou PerJex.
f) PLACAS
- Cinza ou branca em termoplástico, marca Fame, Sintec ou Perlex.
g) PONTOS de LUZ INTERNOS
- Em cada ponto de luz será instalado "plafunier de aluminio de 3", comreceptáculo de porcelana, marca Lorenzet ou GE.
h) ENTRADA, CAIXA de MEDIDOR e QUADRO
- entrada subterrânea, de acordo com o projeto.A caixa de medidor para relógio, com chave geral de 30 ampéres, porta e visor de acrílico, poste emconcreto armado
ou de acordo com o padrão, normas e marcas indicadas pela concessionária local,
asquais a construtora deverá se submeter em quaisquer ônus para os futuros proprietários



Escalas: (Ref.: NBR 8196)
indicada,obrigatoriamente, na legenda.Quando for necessário o uso de mais umaescala na folha para desenho
Escala:
é arelação entre a dimensão linear de umobjeto (ou elemento) representado nodesenho e a dimensão real deste objeto (ouelemento), devendo ser , estas devem estarindicadas junto à identificação do detalheou vista a que se referem. E, na legenda,deve constar a palavra
indicada
Escalas mais usadas: 1:100,1:50, 1:25, 1:20
Escala natural:
é a escala onde a
representação do objeto (ou elemento) é feitaem sua verdadeira grandeza.
Escala de ampliação:
é a escala onde a
representação do objeto (ou elemento) é maiorque sua verdadeira grandeza.
Escala de redução:
é a escala onde a
representação do objeto (ou elemento) émenor que sua verdadeira grandeza













Localização das Tomadas

CVT- MESQUITA

ELÉTRICA

PROFª DAGMAR
Nas salas devemos ter tomadas para TV, abajur e radio.Nos dormitórios, a localização depende da provável situação da cama,podendo haver uma ou duas, junto a cabeceira, para abajur e radio.Na copa, tomada para geladeira, ferro de engomar.Na cozinha; para acendedor de gás, liquidificador.No banheiro, para aparelho de massagem ou de barbear.No corredor, uma tomada para enceradeira.
Obs.:
Na cozinha, no banheiro, na área de serviço, as tomadasdeverão ser instaladas a meia altura

CáIculo dos Circuitos
CVT- MESQUITA

ELÉTRICA

PROFª DAGMAR
Calculada a carga total da residência, em watts,devemos dividi-la em circuitos cujas cargas não sejam superioresa 1.200 watts, limite recomendável.Os pontos de consumo deverão ser ligados a circuitos dedistribuição dos condutores.Cada circuito deverá ter seu própriocondutor neutro.


Cálculos mais precisos, no caso de lojas eescritórios, dependem de diversos fatoreseconômicos, das razões da decoraçãoe da facilidade de manutenção.Para esse objetivo, torna-se indispensávela consulta a catálogos dos fabricantes deLâmpadas.





O quadro de distribuição é o local onde estão
instaladas as chaves de distribuição e proteçãodos circuitos (disjuntores
).
O quadro do medidor é o local onde estãolocalizados a chave geral e o medidor de luz daconcessionária, que registra o consumo da
residência.



Quando vamos executar uma instalação elétrica qualquer,necessitamos de vários dados como:localização dos elementos, percursos de uma instalação,condutores, distribuição da carga, proteções, etc...Para que possamos representar estes dados, somos obrigados a utilizara planta baixa do prédio em questão. Nesta planta baixa, devemosrepresentar, de acordo com a norma geral de desenhos NB-8 da ABNT,o seguinte:
− a localização dos pontos de consumo de energia elétrica,
seus comandos e indicações dos circuitos a que estão ligados;
− a localização dos quadros e centros de distribuição;

− o trajeto dos condutores e sua projeção mecânica
(inclusive dimensões dos condutos e caixas);
− um diagrama unifilar discriminando os circuitos, seção dos condutores,
dispositivos de manobra e proteção;
− as características do material a empregar, suficientes para indicar
a adequabilidade de seu emprego tanto nos casos comuns,como em condições especiais.
Como a planta baixa se encontra reduzida numa proporção 50ou 100 vezes menor, seria impossível representarmos oscomponentes de uma instalação tais como eles se apresentam abaixo.Seria trabalhoso e desnecessário desenhá-lo em tamanho menor,por isso, utilizamos uma forma de diagrama reduzido,denominado
esquema unifilar
, onde os dispositivos de comando,proteção, fontes de consumo, condutores etc., são representadoscomo nos exemplos abaixo:





Estes e outros símbolos são normalizados pela ABNT através de normasespecíficas.Este
esquema unifilar
é somente representado em plantas baixas,mas o eletricista necessita de um outro tipo de esquema chamado
multifilar
, onde se mostram detalhes de ligações e funcionamento,representando todos os seus condutores, assim como símbolosexplicativos do funcionamento, como demonstra o esquema a seguir:





Para o eletricista, o modelo de uma instalação elétrica não lhe adianta,pois um prédio dificilmente é igual a outro, apesar das ligações seremsemelhantes.O desenho de esquemas elétricos conforme normas recomendadaspela ABNT é uma linguagem que deve ser conhecida tanto pelosengenheiros como pelos projetistas e eletricistas; portanto,é indispensável a todos os que se dedicarem ao ramo específicoda eletricidade
É possível redimensionar as imagens postadas que estão excessivamente grandes.

Professor Cesar
Art 'n' CELC Admin
Art 'n' CELC Admin

Mensagens : 1815
Data de inscrição : 22/05/2010
Localização : CWB

Ver perfil do usuário http://artn.highforum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por Professor Cesar em Qua Jul 16, 2014 5:34 pm

Boa tarde Nick, é por aqui o caminho:

Redimensionar mudando os números das medidas conforme o que se observa abaixo:


Professor Cesar
Art 'n' CELC Admin
Art 'n' CELC Admin

Mensagens : 1815
Data de inscrição : 22/05/2010
Localização : CWB

Ver perfil do usuário http://artn.highforum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por Professor Cesar em Qua Jul 16, 2014 5:45 pm

CEZAR39TI1A escreveu:Em Curitiba para iniciarmos um projeto de construção, devemos seguir alguns passos básicos:
1) Emitir a Guia amarela  no site da PM Curitiba, onde determinara todos os parâmetros possíveis para a construção;
2) Matricula atualizada do Imóvel, para saber a situação perante o Registro de Imoveis;
3) De posse dos documentos acima, começamos a pensar no que iremos construir, aqui começara a dor de cabeça na maioria das construções;
4) contratação de engenheiro/arquiteto/profissionais técnicos para o levantamento topográfico;
5) Elaboração do pre projeto arquitetônico para ser avaliado a viabilidade do empreendimento diante dos parâmetros da guia amarela;
6) Com o projeto em mãos, é hora de avaliar possíveis alterações necessárias, para adequar o projeto dentro das normas técnicas, para otimização da captação de águas pluviais, energia solar, mobilidade urbana, acessibilidade;
7) Passado essa etapa de estudos e adequações, é momento de passar no departamento de Urbanismo para aprovação e/ou observações de alterações no projeto;
Cool aprovado o projeto, efetuamos o cadastro junto ao INSS para obter o CEI da obra;
9) Contratação de mão de obra, avaliar de qual forma faremos o empreendimento, existem algumas possibilidades:
Empreiteira terceirizada, vinculada a obra em execução, para isso precisamos estar atentos  de que os funcionários estão com salários e encargos sociais em dia, pois somos solidários o que muitas vezes sobra dor de cabeça para o empreendedor;
Contratação direta pela Obra, é a maneira mais tranquila, o único inconveniente será a alta rotatividade da mão de obra;
10) Plantas devem estar acompanhadas das aprovações e a ART da obra, ou da etapa;
11)Alvará para autorização da obra, emitido pele prefeitura;
12)Criação de uma CIPA, para acompanhar e dar suporte ao empreendimento;
     
 Arrow Arrow Arrow 

Professor Cesar
Art 'n' CELC Admin
Art 'n' CELC Admin

Mensagens : 1815
Data de inscrição : 22/05/2010
Localização : CWB

Ver perfil do usuário http://artn.highforum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Equipe 2 - TI1A [Planta]

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 1:38 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum